Início  /  ÁGUIA-IMPERIAL  /  BIOLOGIA  /  REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO



A águia-imperial-ibérica é uma espécie monogâmica. Após formarem um casal, o macho e a fêmea mantêm-se unidos, realizando regularmente exibições nupciais que intensificam os laços do casal. Defendem ainda o território conjuntamente e ambos os progenitores incubam e cuidam das crias.

A águia-imperial constrói os ninhos em árvores de grande porte, maioritariamente em pinheiros, eucaliptos e sobreiros, podendo reutilizar o ninho em anos sucessivos ou ocupar ninhos alternativos. Cada casal tem geralmente entre um e cinco ninhos. A escolha do local do ninho é realizada tendo em especial atenção a altura das árvores e a tranquilidade do local.



A época de acasalamento inicia-se em janeiro/fevereiro, com as paradas nupciais e a construção ou melhoramento do ninho.
As paradas nupciais consistem em voos ondulados, em que as aves sobem e mergulham em voo picado, vocalizando frequentemente. Por vezes o macho pica sobre a fêmea, agarram-se com as garras e rodopiam vertiginosamente até se soltarem um do outro, muitas vezes já próximo do solo.

As posturas ocorrem geralmente entre finais de fevereiro e meados de abril, e variam entre 1 e 4 ovos.

A incubação dura cerca de 42 dias e as crias permanecem no ninho entre 75 e 85 dias.

Os primeiros voos dos juvenis ocorrem habitualmente no final de julho, permanecendo estes no território dos progenitores durante 3 a 4 meses, onde se vão gradualmente tornando independentes.

Efetuam depois movimentos dispersivos para áreas de assentamento com elevada disponibilidade alimentar. Estas áreas de dispersão podem ou não coincidir com áreas ocupadas por casais reprodutores.
 

CICLO REPRODUTOR ANUAL DA ESPÉCIE

 


 

DESENVOLVIMENTO DA PLUMAGEM DE CRIAS DE ÁGUIA-IMPERIAL

 

SAIBA MAIS SOBRE A ÁGUIA-IMPERIAL-IBÉRICA